Elementos de hardware, software, óticos e fotográficos que contribuem substancialmente para a qualidade da imagem digital

formatimagensUma dúvida ou curiosidade que paira na mente de muitos usuários de câmeras digitais e outros dispositivos móveis dotados de câmeras fotográficas, filmadoras ou webcams é sobre o que de fato determina a qualidade da imagem digital, elementos de hardware ou de software? Elementos digitais ou óticos? Variáveis fotográficas ou qualidade da luz? Iremos, na medida do possível, responder a estas perguntas, e assim esclarecer aos leitores deste Blog a respeito deste assunto, que desperta muito interesse entre usuários e aficionados de tecnologia.

Para início de conversa, todos os grupos de fatores relacionados acima, de alguma maneira, podem influenciar na qualidade da imagem digital, mas de modo geral, dentre os fatores que mais podem afetar a qualidade da imagem digital estão principalmente o sensor (que corresponde ao filme da câmera analógica); o avanço tecnológico dos processos empregados na produção da lente, tornando-a altamente competente para capturar imagens; a qualidade da luz utilizada na imagem, além do talento e habilidade do fotógrafo, é claro, seja ele profissional ou apenas um curioso usuário de tecnologia.

Muitos recursos fotográficos encontrados em câmeras digitais e, principalmente, em câmeras de smartphones, também colaboram sobremaneira para que o usuário, mormente o amador, obtenha imagens de qualidade. O efeito HDR e o detector de sorriso são exemplos deles, além de muitos outros recursos que já nos são muito familiares; como também existem fatores mais específicos, que estão intimamente relacionados à imagem em si, como a resolução, a nitidez, o ruído, as cores e suas tonalidades, além de elementos óticos e fotográficos, como a lente, o diafragma, o obturador, a sensibilidade ISO, a latitude de exposição e a fotometria, entre outros.

Os recursos de hardware e software também influenciam na qualidade na qualidade da imagem digital. Na parte de hardware destaca-se o sensor e suas características. Na parte de software, problemas na qualidade relacionados com o uso deles, constituindo os artifacts, mas eles também podem ser utilizados para corrigir imagens de mediana qualidade.

Elementos de hardware

sensor digitalCom relação ao hardware, o sensor é um dos componentes mais fundamentais, pois é nele que se forma a imagem, é como se fosse um ‘filme digital’. Dentre os fatores relacionados ao sensor que influenciam na qualidade da imagem, está, em primeiro lugar, o tamanho do sensor; quanto maior o sensor, maior será a qualidade de imagem e isto independe de sua quantidade nominal de megapixels, e maior será também a nitidez da imagem final. Por exemplo, quando se compara imagens produzidas com câmeras de mesma resolução nominal, é possível constatar diferenças de qualidade entre elas, devido ao tamanho do sensor, consequentemente, o sensor de câmera que tiver o tamanho de um quadro de filme analógico (36 mm) é o que pode proporcionar maior qualidade, sendo, portanto, o melhor sensor; estes sensores são chamados full frames (quadro cheia/tela cheia).

Outros dois fatores relacionados à natureza física do sensor que influencia na qualidade da imagem digital é a eliminação do efeito moiré, pela utilização do filtro low-pass nas câmeras de matriz de Bayer, como também o nível de ruído. O sensor de matriz de Bayer com filtro low-pass foi desenvolvido pelo engenheiro da Kodak, Bryce Bayer. O filtro low-pass tem a função de uniformizar a luz sobre o sensor, de modo a evitar ‘serrilhados’ ou ‘escadinhas’ na imagem, embora ao custo de uma pequena perda de nitidez, para que a imagem se torne agradável. O efeito Moiré tem sua denominação originada da imagem formada pela sobreposição de tecidos de seda Moiré e se forma, no sensor, pela interferência de padrões – contínuos – de uma imagem qualquer sobre o padrão – discreto – do sensor, o qual é formado por uma matriz descontínua de pontos fotossensíveis (pixels), desta sobreposição, semelhante à sobreposição de seda Moiré, forma-se o efeito Moiré.

O ruído sempre ocorre em aparelhos eletrônicos que transmitem ou recebem sinais e as câmeras digitais não fogem à regra. O ruído das câmeras digitais corresponde, nas câmeras analógicas, à granulação formada pelos sais de prata. O ruído também pode resultar de interferências de fatores externos, além de fatores internos devidos à recepção de sinais elétricos pelo sensor. O ruído é uma perda de imagem real devido intervenções que fazem com que o pixel, unidade básica de imagem fotográfica, registre algo que não correspondente à realidade do objeto fotografado.

Em fotografia digital, o ruído se caracteriza por meio de manchas aleatórias que comprometem bastante a qualidade da imagem e sua quantidade aumenta quanto maior for a sensibilidade ISO utilizada (da qual falaremos adiante), como também varia muito de câmera para câmera, sendo sua ocorrência muito maior em câmeras populares ou compactas do que em câmeras profissionais com elevada qualidade, as quais tendem a produzir uma quantidade muito menor ruído. A sensibilidade ISO de uma câmera digital é aumentada através da amplificação de sinal do sensor, o que implica necessariamente na produção de ruído.

ruido imagem digitalO ruído pode variar também dentro de uma mesma imagem, sendo que sua ocorrência é maior em áreas escuras do que em setores claros, e, portanto, são menos intensos em tonalidades claras, o que implica dizer que, uma imagem obtida em condições de superexposição tem menos ruído, o que pode ser vantajoso, caso se pense em escurecê-las posteriormente, de modo que nenhuma região de textura fique inteiramente branca. Para eliminação do ruído, pode-se utilizar métodos de pós-captura de imagem através de softwares, como também por meio de processos físicos mediante aperfeiçoamento e maximização de desempenho do sensor ou do amplificador de sinal.

O ruído, se ocorrer em pequenas proporções, pode até concorrer para elevar o nível de qualidade da imagem digital, já que, eventualmente, pode aparentar melhor nitidez, mas em geral, ele é normalmente prejudicial para a qualidade final da imagem.

A resolução e nitidez estão intimamente relacionadas. A resolução depende diretamente do tamanho do sensor, do qual, por sua vez, depende a definição do número de pixels que serão utilizados para a composição do tamanho da imagem. A resolução é responsável pela fixação de texturas e pormenores, pela separação de linhas e definição de elementos. A nitidez da imagem é dependente da qualidade de resolução, quanto maior a resolução, maior será também a nitidez da imagem. De modo geral, a qualidade de resolução da imagem não dá para ser percebida através das telas que as câmeras digitais e outros dispositivos móveis utilizam, por mais elevada que ela seja. Para que você perceba a qualidade da imagem, será necessário imprimi-la, e então, sim, será possível perceber diferenças de qualidade de uma imagem para outra, se houver.

A resolução pode ser real ou efetiva. A resolução é real quando a imagem corresponde exatamente ao objeto fotografado. A resolução efetiva é aquela representada pela capacidade máxima da câmera digital, mas que pode estar sujeita a interferências de ruídos e outros fatores internos ou externos à câmera. Em caso de ausência de ruído, o que geralmente não ocorre, a resolução real será igual à resolução efetiva. Sempre haverá certo grau de ruído, qualquer que seja o tempo de exposição (ruído aleatório), especialmente nas exposições longas (ruído aleatório), além de que, pode ser provocado pela própria câmera (ruído de banda), especialmente as mais populares, como as compactas.

Com relação à quantidade de pixels quanto maior seu dimensionamento, maior será o tamanho da imagem e maior será também a qualidade da imagem, o que significa dizer que uma imagem de grande tamanho, quando reduzida, por exemplo, ao padrão (10×15) terá maior densidade de cores e tonalidades por unidade de área e isto porque os pixels/dots estarão mais próximos uns dos outros, portanto, apresentará maior qualidade que uma imagem originalmente dimensionada no referido padrão de área, a qual não possui possibilidades de ampliação sem perda de qualidade.

E por falar no tamanho 10×15 cm, se você tiver a ideia de produzir imagens digitais em papel fotográfico neste tamanho e não sabe qual é a resolução mínima que uma câmera precisa ter para isto, então lhe diremos que, para isto, você precisará definir, de antemão, a qualidade de impressão fotográfica desejada, por exemplo, 300 DPI (Dot Per Inch/Pontos Por Polegada ou Pixels por Polegada), e realizando um cálculo muito simples, você chegará a uma câmera cuja resolução é de 2.1 MP. O cálculo é feito da seguinte maneira: transforme 10×15 cm em polegadas, você verificará que 10×15 cm equivalem a 4×6 polegadas. Como você quer em resolução de 300 DPI, multiplique cada uma das dimensões, altura (4) e comprimento (6) por 300 e você terá 4 x 300 x 6 x 300 = 1.200 x 1.800 = 2.160.000 pixels = 2.1 MP. É muito simples mesmo.

E generalizando para outros possíveis casos, se você desejar imprimir suas fotos em outro formato de papel, como por exemplo, A4 e quer saber qual a resolução mínima para sua câmera, que possivelmente pretenda adquirir, siga o mesmo procedimento anterior, que podemos sintetizar nos seguintes passos:

(1) Converta as dimensões do papel em polegadas;
(2) Multiplique cada uma das dimensões do formato de papel pela qua ntidade de pixels que desejar, em dpi ou ppi;
(3) Obtenha, por multiplicação, um único número para expressar a quantidade de pixels;
(4) Converta esse número para megapixels.

E agora voltando ao assunto da resolução das câmeras, as de 3 MP são muito apropriadas quando não se pretende ampliar a imagem, já que, neste caso, uma ampliação buscando dar ênfase ao objeto focal fará com que a imagem perca nitidez. A partir desta quantidade, as câmeras capturam mais detalhes por unidade de área, e ainda que possam ser influenciadas por alguns fatores, como a luminosidade do ambiente e uso adequado do ISO, já aludido acima e a respeito do qual, reiteramos, falaremos mais adiante, mesmo assim, não será preciso tanto se preocupar com o zoom e a aproximação do objeto.

Variáveis óticas e digitais

lente camera dgtA qualidade e tecnologia empregada na produção da lente é outro fator determinante para a obtenção de imagens de ótima qualidade, todavia, como era de se esperar, câmeras digitais ou outros dispositivos móveis dotados de lentes de elevada qualidade possuem preços mais elevados. Um parâmetro importante que devemos levar em consideração na hora de escolher a lente de uma câmera digital é a abertura focal máxima do diafragma, normalmente representada por um f minúsculo, Quanto menor o valor da abertura focal, maior será a capacidade de sensibilização da lente pela luz, e isto favorece a obtenção de imagens de maior qualidade em ambientes com pouca luz.

Um cuidado que se deve ter na utilização da abertura focal é com relação à distância focal, pois normalmente as câmeras utilizadas por amadores, que, apesar de possuírem foco fixo automático, também podem ser manuseadas por meio de dois modos de focalização; o primeiro, para objetos próximos da lente, cuja distância é definida em 10 ou 20 cm; o segundo, obviamente para objetos distantes, a distância considerada é a partir de 10 ou 20 cm em diante. É importante ajustar a abertura focal de maneira que objetos próximos sejam fotografados em modo focal de proximidade e objetos distantes, como paisagens, sejam fotografados em modo distante, para que se tenha, assim, bons resultados fotográficos na imagem.

Para ambientes fechados e com pouca luz, como ginásios de esporte e teatros, é recomendada a utilização de lentes claras de elevada abertura focal, para que se torne possível a obtenção de imagens, embora seja inevitável a perda de profundidade de campo e, consequentemente, de qualidade de imagem.

Em termos de tecnologia de lente, a Sony é uma empresa de larga experiência, a qual vem desde a era pré-digital, e não somente lentes, como também sensores e processadores de imagem. Dentre estas tecnologias destacam-se as ‘Lentes Cônicas Minolta’, desenvolvidas para câmeras digitais SLR e Cyber-shot; as ‘Lentes G’, que são lentes esféricas de alto desempenho, proporcionam uma extraordinária qualidade de imagem, em função de sua elevada fidelidade; como também as ‘Lentes Zeiss’, reconhecidas internacionalmente pela sua qualidade ótica, são algumas das lentes de elevada qualidade desta companhia, além dos sensores CMOS ‘Exmor R’ e sensores CCD ‘Super HAD’.

O zoom é importante quando se quer obter imagens mais aproximadas e, neste sentido, o zoom ótico proporciona maior qualidade que o zoom digital, já que este não passa de um expediente de ampliação disponível por meio de recursos de software. Caso seu dispositivo não disponha de zoom ótico, você pode recorrer a programas gráficos, os quais produzem melhor resultado que o zoom digital, porque contam com mais recursos e opções para aproximação ou ampliação, como por exemplo, dispõem do zoom bicúbico, que oferece melhor qualidade. Para ampliar sua imagem sem perda de qualidade, você pode utilizar o Photoshop ou mesmo o GIMP, que é gratuito, no primeiro selecione o ‘Suavizador Bicúbico’ e, no segundo selecione ‘Bicúbico’ e aumente a imagem gradativamente de 10% em 10% e clicando sempre em OK, evidentemente.

imagem tremidaO estabilizador de imagem também influencia na qualidade da imagem digital e, assim como o zoom, pode ser de natureza ótica (lentes) ou digital. Em câmeras compactas, o estabilizador de imagem é constituído por micromotores que movimentam o sensor de um lado para outro com o objetivo de compensar o tremido das mãos do usuário. Ele é particularmente importante para quem quer fotografar objetos a longa distância focal, nas quais os tremidos são incrementados.

O estabilizador de imagem atua no sentido de compor, separar e mesclar várias imagens para formar a imagem final com o objetivo primordial de remover tremidos na fotografia. Entre um estabilizador ótico e um digital, prefira o estabilizador ótico, pois proporciona maior qualidade, enquanto que o estabilizador digital pode ser resultado de um acréscimo do nível de ISO do sensor e isto apenas admite velocidades mais rápidas. Para evitar tremidos na imagem, você pode utilizar, também, um tripé para apoiar a câmera, embora nem sempre seja possível utilizá-lo.

O diafragma é parte constituinte da lente e funciona como uma espécie de cortina, de modo a permitir ou não a entrada de luz para o interior da câmera. Ele tem a função de admitir determinada quantidade de luz necessária para a composição das imagens. Para obter-se uma imagem de qualidade, também é preciso usar corretamente os parâmetros relacionados com a já referida abertura ou fechamento do diafragma (f). Isto é particularmente importante quando se quer produzir imagens de paisagens, já que a abertura do diafragma determinará o alcance da lente (profundidade de campo), permitindo fotografar objetos distantes. Como regra geral, utilize aberturas do diafragma menores para objetos distantes e aberturas maiores para objetos próximos.

Um problema que deve ser evitado no manuseio do diafragma são os causados pela difração (desvios de raios luminosos), que ocorrem quando a abertura do diafragma está particularmente muito reduzida. Esses raios, que sofrem desvio, vão parar de forma desordenada no sensor, causando perda de qualidade da imagem que, embora ganhe em profundidade de campo, perde em nitidez. Para solucionar este problema, opte pelos valores centrais da escala de f, descarte os dois últimos menores valores, como também os dois últimos maiores valores da escala de f. Procedendo desta maneira, você garantirá a obtenção de imagens de qualidade, pelo menos no que se refere ao manuseio do diafragma.

O obturador tem como função controlar a velocidade de entrada da luz que vai incidir sobre o sensor, ficando aberto por mais tempo em ambientes noturnos ou com pouca luz, para aproveitar, o máximo possível, a luz escassa existente; em ambientes com suficiência de luz, apresenta maior velocidade de fechamento, ficando aberto por pouco ou muito pouco tempo. Em fotos noturnas, em ambientes com pouca luz ou imagens em movimento é muito importante evitar os tremidos, pois o obturador, aberto por mais tempo, permitirá a visualização de imagens sobrepostas, reduzindo, assim, a qualidade da imagem, muito embora, em alguns casos, estes tremidos possam ser usados para formar determinados efeitos desejados em imagens em movimentos, como a de carros, nas quais os tremidos possam parecer agradáveis. Para conseguir este efeito para imagens em movimento, basta aumentar a latitude (EV) de sua câmera e isto fará com que o obturador permaneça aberto por mais tempo. Com um pouco de prática você conseguira isto.

Em sentido oposto, se você desejar congelar momentos de uma cena em movimento, então, para isto, use a velocidade máxima do obturador, que assim você evitará imagens borradas causadas pelo objeto em movimento, sendo que essa velocidade corresponde ao intervalo de tempo em que o obturador permanecerá aberto na frente do sensor, de modo a permitir a captura de luz em quantidade necessária para a formação da imagem no sensor.

Entretanto, é bom lembrar que, para obter imagens congeladas de cenas em movimento a velocidade do obturador é da ordem de milésimos de segundos. Não se esqueça de checar esse dado na ocasião de uma possível compra de uma câmera digital, para não adquirir um dispositivo inadequado. Alternativamente, você pode também utilizar uma filmadora, obter o vídeo e, através de aplicativos, congelar e capturar momentos do evento na forma de imagens. Um aplicativo que você poderá utilizar para essa finalidade é o ‘Free Video JPG Converter’, com tamanho de 20 MB e disponível para o Windows XP, Vista, 7 e 8. Lembre-se que a tecla Print screen do Widows nem sempre funciona, por isso é melhor utilizar um aplicativo para esse fim.

sensibilidade isoA sensibilidade ISO é outra variável que influencia diretamente na qualidade da imagem e seus valores são determinados pela International Organization for Standardization e se referem à quantidade ideal de luz para produzir uma fotografia de qualidade. Quanto maior este valor, maior será a claridade, brilho e definição de cores na imagem, requisitando menor quantidade de luz no ambiente, portanto valores maiores de ISO devem ser usados em ambientes com pouca luz e maiores ainda em imagens noturnas. A qualidade da imagem também depende da utilização correta da sensibilidade ISO.

O uso do ISO pode ser combinado com o uso da latitude de exposição (EV) da câmera e, consequentemente, de um tempo mais prolongado na abertura do obturador. Em câmeras digitais populares, o ISO é definido em modo automático; em outras, valores de ISO podem ser definidos pelo usuário, como 100, 200, 400 ou 800, por exemplo. Neste caso, assuma que o menor valor possível é recomendado para dias ensolarados ou ambientes com muita luz, para dias nublados ou ambientes com pouca luz, utilize valores intermediários e, ambientes com muito pouca luz ou imagens noturnas, utilize valores maiores.

Câmeras populares não servem para produzir imagens de movimento, como baladas, festas em geral ou automóveis correndo, especialmente de noite, embora possam eventualmente produzir fotografias boas por pura sorte, devido ao ambiente ou objeto de interesse estar bem iluminado, em conjunto com algumas características de configuração ocasional da câmera. Para resolver esse problema, algumas câmeras digitais já vêm com o modo noturno, o que certamente facilita sobremaneira a vida do usuário não profissional.

Em fotografias noturnas, é muito importante evitar a tremedeira, já que os elevados valores de ISO que devem ser utilizados requerem um maior tempo de abertura do obturador, o que reduz os objetos em movimentos a um feixe de luz. Para evitar tais tremedeiras, é recomendável concentrar-se antes de bater a foto, respirar fundo, segurar a respiração, e assim, você ficará mais estável e pronto para tirar a foto. Adquirir um tripé para produzir imagens sem tremidos é também uma boa alternativa, embora nem sempre seja possível utilizá-lo.

Para ambientes com pouca luminosidade, além da utilização do ISO combinado com a latitude, pode-se também utilizá-lo combinado com a velocidade do obturador e abertura do diafragma. Nesta situação é recomendável usar o valor mínimo possível de ISO, já que um valor maior também causará o aumento de ruído elétrico, provocando manchas de mosqueado na imagem. Em termos gerais, se não pudermos aumentar a abertura focal, diminuir a velocidade do obturador, que são condições que favorecem a entrada de luz, ou ainda obter uma imagem forçada pela utilização do flash, então, sim, devemos recorrer ao uso do ISO, sem que, para isso, seja preciso modificar a combinação do binômio abertura/velocidade, citada anteriormente.

flashimagemO Flash também é uma ótima ferramenta para melhorar a qualidade da imagem noturna, mas tem limitações no alcance, podendo atingir até uns 5m, portanto seu uso é somente recomendável para fotografar objetos próximos de você. O flash assegura a captura da imagem em ambientes escuros, além de que a capacidade de captura de imagens no escuro pode ser ampliada pela utilização dos maiores valores de ISO permitidos pelo seu dispositivo. Se inesperadamente a imagem ficar clara ou muito branca, então ajuste o valor de ISO pela utilização de um valor menor. Mesmo com a utilização do flash, é necessário ter certa intensidade de luz no ambiente espalhada em alguns pontos, para que viabilize a formação da imagem, pois o flash ajuda, mas não é tudo. Se o objeto estiver longe, esqueça o flash, pois não haverá formação de nenhuma imagem, não se esqueça disso.

As câmeras digitais, em sua maioria, têm pelo menos três modos de flash: além do modo desativado, existem os modos forçado e automático. O modo forçado pode ser utilizado em situações onde haja excesso de luz, como no caso em que a luz do sol está atrás da pessoa ou do objeto fotografado; neste caso, o flash será útil para evitar que rosto da pessoa seja ofuscado, mesmo porque, nesta situação, o modo automático não poderá disparar o flash. O flash forçado iluminará o rosto da pessoa, permitindo, assim, eliminar a ofuscação devido à luz do sol que há por detrás.

Em algumas câmeras digitais o flash também pode ser utilizado para eliminar olhos vermelhos, que se formam nas imagens tiradas a noite ou em ambientes com baixa iluminação. Para evitar que os vasos oculares apareçam no rosto das pessoas, essas câmeras possuem o recurso ‘redutor de olhos vermelhos’, o qual bate o flash duas vezes rapidamente e, desta forma, evitam que os vasos sanguíneos apareçam nas imagens. Há câmeras que também possuem flash com luz forte e flash com luz fraca, como opção de ajuste para diferentes estados de luminosidade dos ambientes em geral, e podem ser escolhidos para uso concomitante com um dos modos, por exemplo, o modo forçado. E apenas para reforçar a ideia, as opções de intensidade do flash (fraco/forte) não devem ser confundidas com os modos de uso (desativado/forçado/automático).

O flash tem a desvantagem de perda de naturalidade da imagem, sendo, portanto, preferível, muitas vezes, utilizar outro recurso que não sacrifique tanto a qualidade da imagem, como o valor de exposição (EV) ou latitude de exposição, já aludido acima, o qual tem a propriedade de conservar a luz ambiente, resultando em fotografias mais naturais, principalmente se houver um pouco de luz espalhada no recinto, o que evitará com que diminua demasiadamente a velocidade do obturador, podendo, nessa situação, produzir tremidos na imagem, reduzindo, assim, sua qualidade.

Outro fator que é elevada importância para a formação da qualidade da imagem, que foi anteriormente referido, é a latitude, a qual tem respeitável relevância quando se trata de evitar que não haja perda de pixels na fotografia. O valor de exposição, latitude de exposição ou simplesmente latitude nada mais é do que o espectro de captura de luz entre o preto e o branco, que é próprio do sensor. Esta amplitude de valores está relacionada ao equilíbrio e saturação de cores em relação a um ponto de exposição, no qual a latitude é considerada nula (EV = 0) e que, por sua vez, representa o ponto de melhor saturação de uma câmera; não fica exatamente no centro, mas pode ficar deslocado para luzes altas ou para luzes baixas, produzindo, assim, imagens claras ou escuras no melhor ponto de exposição.

Diferentes câmeras apresentam diferentes amplitudes de latitude e diferentes pontos de exposição de melhor saturação, o que implica em diferentes respostas na qualidade de saturação de cores e, mesmo que as câmeras apresentem a mesma amplitude e mesmo ponto de exposição para a latitude, ainda assim, terão respostas diferentes de saturação. Em termos gerais, o ideal é que a saturação seja ao menos satisfatória em toda a latitude, mas que apresente constância na sua expressão. Especial atenção deve ser dada a saturação de cores, pois é um fator de difícil correção, mesmo que se utilizem os melhores softwares fotográficos, como o Photoshop, que, no caso de correção de baixa saturação, resultará em excesso e, consequentemente, em perda de qualidade para a imagem final.

Outro fator que interfere na qualidade da imagem é a calibragem de cores, que varia de câmera para câmera, sendo que cada uma vai ter sua própria resposta tonal. Este fator se torna importante caso você queira imprimir suas fotografias; neste caso, verifique a compatibilidade de sistemas de cores utilizados por câmera e impressora, que normalmente são diferentes, sendo que esta diferença pode afetar a qualidade das fotografias impressas. Também monitores apresentam diferenças na resposta tonal. Enfim, procure um profissional especializado, que faça a correta calibração de cores entre monitores, impressoras e câmeras, para que você obtenha imagens impressas de excelente qualidade, pois é bom lembrar que o processamento das cores tem um custo para a qualidade da imagem.

Elementos de software

zoom digitalAlgumas peculiaridades de software podem interferir na qualidade da imagem. Dentre estas peculiaridades estão os problemas de software que decorrem da relação existente entre sistemas operacionais, aplicativos e fatores de hardware, como características do sensor e filtro low-pass. Entretanto, muitos problemas de software podem ser prontamente identificados utilizando-se imagens de testes e alguns até podem ser corrigidos, principalmente se as imagens estiverem no formato RAW.

Os formatos digitais também podem relativamente influenciar na qualidade da imagem, sendo que a maioria das câmeras digitais mais populares salvam as imagens no formato JPEG, além de permitirem eleger a qualidade da imagem entre ótima, boa ou baixa, as quais normalmente se referem ao grau de compressão do formato JPEG, que são geralmente gravados com alta qualidade no nível 90, raramente se utiliza o nível 100, o máximo valor de qualidade JPEG.

Por outro lado, outros tipos de câmeras digitais, normalmente câmeras profissionais, gravam as imagens em outros formatos, como TIFF ou RAW, os quais possuem maior qualidade, pois não sofrem compressão, como no JPEG, mas apresentam a desvantagem de ocuparem maior espaço de memória, já que os arquivos naqueles formatos são maiores. Por exemplo, uma foto de alta qualidade obtida com uma câmera dotada de resolução de 5 MP ocupa cerca de 1 a 1,5 MB.

Se você fez uma imagem digital e não gostou do resultado, você pode utilizar softwares que façam a correção, mas observe que é necessário que sua fotografia possua a mínima qualidade possível, pois os programas não fazem milagres, portanto procure aprender tudo sobre imagens noturnas e utilização do ISO adequado, dentre outras coisas. É recomendável, também, que você, antes de se decidir pela modificação de sua imagem, faça uma cópia digital da imagem original, pois, caso você se arrependa das modificações, já que muitas são irreversíveis, poderá recorrer novamente à imagem original. Portanto, reiteramos, antes das modificações, faça uma cópia de segurança da imagem original.

E já que falamos em programas editores de imagem, eis aqui alguns deles, que podem ser úteis na correção e edição de suas imagens: o GIMP, que possui versão tanto para o Windows como para o Linux; o Paint.NET com versão somente para o Windows; o Picasa, do Google, o qual é gratuito e de fácil utilização, além de muitos outros gerenciadores de imagem. Com eles, é possível ajustar uma série de variáveis, como correção de olhos vermelhos, saturação e balanço de branco, ajustes manuais ou automáticos no nível de cores, além de modo automático de correção, que alguns deles possuem.

Fotometria

fotometriaTalvez poucos usuários amadores saibam que toda câmera digital possui um fotômetro que auxilia na medição da luz, que entra para o interior da câmera para formar a imagem no sensor. Os valores medidos pelo fotômetro podem ser ajustados mediante manipulação do obturador e diafragma, além dos valores de ISO. O fotômetro automaticamente altera o valor de luz dimensionado, assim que qualquer um destes fatores seja alterado.

Os fotômetros das câmeras digitais apresentam modos de medição da luz e, dentre estes modos, podemos destacar o modo matricial e o modo pontual. O modo matricial é indicado para retratos e leva em conta toda a área da imagem, enquanto que o modo pontual, ao contrário, leva em conta somente algumas áreas da imagem.

Ainda com relação à fotometria, temos a informar que toda câmera digital possui recursos fotométricos para avaliar a qualidade da imagem obtida, como por exemplo, por meio de histogramas, os quais podem ser gerados instantaneamente para que o fotógrafo possa decidir sobre a necessidade de fazer os ajustes necessários para, assim, chegar a melhor imagem.

Deste modo, o histograma é uma ótima ferramenta auxiliar para o usuário melhorar a qualidade da imagem, como também complementa o display da câmera, o qual tem suas limitações para revelar informações valiosas sobre a qualidade da imagem. Todavia, nem sempre é possível utilizá-lo para avaliação de imagens, como é o caso de fotografias do por do sol, porque produzem muitos setores escuros.

Câmeras digitais de smartphones

smartphone camerasA qualidade das câmeras digitais dos smartphones vem crescendo a cada novo modelo lançado no mercado, sendo que não deixam nada ou quase nada a desejar a câmeras digitais, sejam elas populares ou profissionais. Modelos como o Samsung Galaxy S5, que apresenta câmera principal com 16 MP, se destaca pela qualidade do efeito HDR e recursos que aumentam a qualidade com maior alcance para a formação da imagem capturada, com possibilidade de opção entre fotografia matricial ou meramente pontual.

O Lumia 1020 apresenta câmera principal com resolução de 41 MP que garantem um zoom de até 3x, além de possuir e lente de seis elementos, o que proporciona qualidade semelhante à de câmeras profissionais, porém toda esta qualidade somente se torna perceptível se você for imprimir a imagem, uma vez que pelo display não se percebe diferença de qualidade. Este aparelho se destaca pela facilidade de uso na manipulação de fatores que influem na qualidade da imagem, como ISO, obturador e diafragma que permitem criar efeitos fotográficos profissionais na imagem, como o ‘efeito de borradona’.

Outro smartphone que se destaca pela qualidade de sua câmera principal é o Sony Xperia Z1, o qual apresenta tamanho de sensor de 20.7 MP. A Sony é uma marca que possui muita tradição em câmeras digitais e a atual tecnologia desta empresa é muito poderosa para capturar imagens com qualidade de nitidez, brilho, contraste e saturação.

O iPhone 5S se destaca mais pela lente de cristal com cinco elementos óticos do que pelo tamanho do sensor, que é de apenas 8 MP. Apesar disso, a qualidade da sua lente objetiva combinada com pixels menores torna-o capaz de produzir imagens de elevada qualidade, com menos ruído, mesmo em ambientes com baixa luminosidade.

O LG G2 também se destaca pela câmera principal com sensor de 13 MP e pelas principais funções para se fazer uma imagem de qualidade e, dentre elas temos a função HDR, foco manual e automático, zoom digital e cenas pré-definidas que deixam as imagens mais próximas daquilo que se vê.

Resumo

resumo 2São muitos os elementos que podem determinar qualidade da imagem digital, bem como auxiliar no sua correção, quando possível. Para a qualidade da imagem, elementos como tamanho do sensor, tamanho e quantidade de pixels, resolução, nitidez, dpi/ppi, ruído, latitude, fotometria, ISO, tecnologia de lente são todos importantes, porém, dentre todos estes elementos, dê especial atenção à tecnologia de lente, ao tamanho do sensor, à latitude, à fotometria e ao ISO e aprenda tudo que puder sobre eles, para que você, ao menos, seja conhecedor das variáveis que influem na qualidade de imagem de uma câmera digital. Também preste muita atenção ao modo como funcionam o obturador e diafragma, já que estão diretamente relacionados à quantidade de luz que atravessa a lente e sensibiliza o sensor, produzindo, assim, a imagem. Enfim, o conteúdo desta revisão poderá lhe ajudar muito, mas não se iluda, ainda há muita coisa por aprender.

Síntese

Em síntese, quando se trata de câmeras digitais, como vimos, em muitas situações é difícil separar elementos de hardware e software, além de que ambos possuem fatores capazes de influenciar na qualidade da imagem, como o tamanho do sensor ou a utilização de programas que possam contribuir para melhorar, corrigir ou maximizar a qualidade da imagem. Semelhante afirmação também se pode utilizar em relação às variáveis óticas e fotográficas, já que elas frequentemente passam por muitas situações de interdependência. É recomendável, nas situações em que você tiver dúvidas sobre elementos óticos ou digitais, optar pelos elementos óticos, que, por sua natureza física, oferecem maior qualidade. Entre as variáveis fotográficas, dê especial atenção ao ISO, à latitude e à fotometria, as quais podem lhe prestar grande auxílio para que você obtenha imagens de qualidade e, com relação aos componentes que estão diretamente relacionados à luz, dê especial atenção à tecnologia utilizada na produção da lente e no funcionamento do obturador e do diafragma.

Fonte: Internet

Sites recomendados:

http://sites.ifi.unicamp.br/laboptica/files/2012/11/DICAS5a.pdf

http://forum.mundofotografico.com.br/index.php?topic=61500.0

http://www.cambridgeincolour.com/pt-br/tutorials.htm

Lista de 12 recomendações para tirar selfies de ótima qualidade e se dar bem nas redes sociais

elfie do ano Ocar 014Os autorretratos tirados a partir de um dispositivo móvel e compartilhados em redes sociais, os quais vêm sendo denominados popularmente de selfies, constituem a grande moda do momento, que, juntamente com as redes sociais, tanto podem ser um fenômeno efêmero, quanto durar por muito tempo, talvez além do que possamos imaginar e, nesse tempo, ainda podem passar por aperfeiçoamentos. Sua popularidade tem aparecido até mesmo em eventos anuais, como na premiação de filmes e artistas do ano, o célebre Oscar. Isso tudo faz com que as pessoas fiquem mais exigentes com suas selfies e fotografias em geral.

O termo selfie começou a se popularizar justamente a partir do Oscar de 2014, que foi considerado pela imprensa internacional o ano da selfie, muito embora a palavra tenha surgido em 2012, em cujo período foi considerada a palavra do ano; mas somente em 2014 é que viria a se consagrar em popularidade, sendo citada 92 milhões de vezes no Twitter, representando um crescimento de 500% em relação a 2013 e, para isso, contribuiu significativamente o famigerado autorretrato tirado pela apresentadora do Oscar, Ellen Degeneres, no qual foram fotografadas várias celebridades do cinema americano; a reação para o ato no Twitter provocou um milhão de retuitadas em 60 minutos, sendo considerada a imagem do ano pela revista Time.

Mas afinal como se pode definir uma selfie? Pode-se obter um significado representativo para a o termo pela combinação de definições do site Wikipedia e do Urban Dictionary: selfie é uma fotografia tirada de si mesmo com o auxílio de um dispositivo móvel, que é distanciado do objeto, você mesmo, de acordo com o comprimento do seu braço, podendo ser também diante de um espelho; mas que, adicionalmente, pode conter outras pessoas, constituindo as chamadas selfies de grupo, além de outros elementos de caráter exclusivamente pessoal, que comunicam alguma emoção ou afeto aos usuários de redes sociais, nas quais se objetiva publicá-la.

Entretanto, obter selfies de boa qualidade para postar em redes sociais, a partir de seu celular, smartphone, tablet, notebook ou câmera digital não basta simplesmente voltar a lente para si, mas você deverá seguir algumas recomendações básicas, que iniciam pelo modo de segurar seu dispositivo móvel até a utilização de aplicativos específicos para dar um toque extra às suas selfies. Existem aplicativos tanto para a plataforma Android como para a iOS. Outra informação relevante para quem é fissurado numa selfie é que os fabricantes de dispositivos móveis como Samsung, Lenovo, Nokia e Sony, entre outros, estão produzindo smartphones com câmeras frontais mais poderosas para que seus potenciais usuários possam obter autorretratos de melhor qualidade.  E para que você produza boas selfies e se dê bem nas redes sociais, além de aplicativos e poderosas câmeras frontais, selecionamos algumas recomendações e técnicas simples que podem lhe auxiliar a obter uma boa selfie. Ei-las:

(1) Descubra o seu melhor perfil e a sua melhor pose 

Dezcubra melhor pozeInicialmente tire várias fotos de si mesmo, especialmente de perfil, pois quase todo mundo é tem o rosto ligeiramente assimétrico, portanto, descubra qual dos seus perfis é mais fotogênico e memorize-o para usá-lo em suas selfies e fotografias em geral; Igualmente tire várias selfies em várias poses e escolha a que você achar melhor, memorize as melhores e as utilize para suas selfies. Portanto, capriche na pose, pois ela tem tudo a ver com a foto, mas de acordo com o cenário em que você estiver, com descontração, naturalidade e sem exageros. Algumas feições que costumam ganhar muitas curtidas nas redes sociais são caras e bocas engraçadas, sorriso e meio sorriso, mas tome cuidado para não exagerar e cair no ridículo.

(2) Diversidade com naturalidade 

Zelfie com naturalidadeProcure diversificar sua própria imagem, mas, como já dissemos, sem exageros, com simplicidade e naturalidade, coloque um sorriso no rosto, evite expressões forçadas e lembre sempre de que menos é mais; e seja você mesmo, sobretudo.  Tente também mostrar uma expressão interessante em seu rosto. Neste quesito, o sorriso é tiro certeiro, pois é uma expressão que agrada, de imediato, a qualquer pessoa, porém se você preferir uma expressão mais séria, experimente um jeito calmo, centrado, concentrado, absorto, distraído, pensativo, imaginativo, divagante, etc. Para obter uma foto com uma expressão que pareça o mais autêntica possível, você pode utilizar um dispositivo com detector de sorriso durante um filme que seja capaz de produzir, em você, alguma dessas expressões e outras possíveis e peça o auxílio de um amigo(a) ou irmão(ã).

(3) Dê atenção especial ao cenário da foto 

Cenario zelfieO objeto principal de sua selfie seja você mesmo, entretanto, zele também pela boa aparência do cenário. Evite tirar fotos diante do espelho do banheiro, pois é comum elas serem mal comentadas.  Ao contrário, escolha cenários que possam gerar bons comentários nas redes sociais, pois, dessa forma, enriquecerá sua selfie, como também justificará sua publicação em redes sociais e não será apenas mais uma selfie vazia, com pouco assunto para boas conversas.

Para os cenários também vale o princípio da diversidade, portanto, diversifique também os ambientes, para que suas selfies não se tornem uma chatice para seus amigos. Na hora de produzir suas selfies, pense com bastante dedicação em você e no ambiente, para que suas selfies gerem conversas interessantes nas redes sociais.

Aproveite o que estiver a sua volta, por exemplo, um vaso de com flores sobre a mesa, uma praça perto de sua casa, cortinas coloridas na janela, etc, etc. Evite ambientes muito privativos como banheiro, cama desarrumada, quarto bagunçado e outros similares.  Se possível, também aproveite elementos naturais que caracterizam as estações do ano. Na primavera e verão, você pode utilizar, em segundo plano, um arbusto cheio de flores; no outono, você pode se valer da variação de cores nas folhas e; no inverno, utilize um cenário que envolva gelo ou neve, se possível. De modo geral, campo e espaços com vegetação natural também são boas opções para suas selfies.

As praias são ambientes extremamente favoráveis para se fazer boas selfies, devido à abundância de luz do sol. Entretanto, na hora de fazer sua selfie, não fique de frente para o sol, pois isto irá prejudicar a qualidade da imagem, já que parâmetros como brilho e contraste ficarão reduzidos; também na praia temos outro elemento que realça a beleza da fotografia, que é a água, a qual proporciona maior brilho e beleza para sua pele e cabelos.  Por outro lado, se o seu caso é produzir uma selfie tradicional, então basta uma parede de cor uniforme da cor que você prefira ou mesmo com algum quadro que a enfeite para quebrar a monotonia.

(4) Luz natural e flash

Portrait of young and beautiful woman taking self portrait with her cell phoneUma boa iluminação é fator determinante para se tirar boas fotografias, de modo que, sempre que puder, prefira a luz natural ao flash. Para isso, procure um local bem iluminado, como aqueles próximos de uma janela ou, se for a noite, procure a melhor posição para que sua face esteja bem iluminada, mantendo a fonte de luz bem à sua frente e um pouco acima de seus olhos, de modo que não forme sombras, se possível. A luz a sua frente tem o poder de deixar sua pele mais brilhante, realça suas características pessoais e melhora sensivelmente a qualidade da foto. Outra recomendação que pode melhorar suas selfies é ficar próximo a cortinas e outros anteparos caseiros que possam auxiliar na difusão da luz, deixando-a menos intensa e suave, como também colaboram para que o ambiente fique com boa claridade para sua selfie.

As sombras são resultantes de iluminação inadequada, mas com auxílio de fontes artificiais, elas podem ser eliminadas, de modo que se possam garantir cores mais realistas, o mais semelhante possível àquelas produzidas pela luz natural. Felizmente, para maior facilidade na obtenção de selfies de boa qualidade, hoje você pode contar com as modernas câmeras digitais que contam com correções automáticas de sombras e olhos vermelhos, muito embora, para obtenção de selfies costume-se usar mais frequentemente os smartphones.

Lembre-se de que luz em excesso vai deixar sua selfie muito branca, por outro lado, a carência de luz ou luz de fundo, só formará sua silhueta; também evite ambientes com luz fluorescente intensa, pois ela não contribui para a obtenção de fotos de qualidade. O melhor tipo de luz para fotografias em geral é a brilhante e difusa com razoável intensidade; caso a luz seja muito intensa, além dos possíveis difusores naturalmente encontrados em ambientes domésticos, como as já referidas cortinas, use difusores, eles podem ser adquiridos a preços módicos ou construa um. O site instructable.com apresenta cinco passos simples para você construir um difusor. Clique sobre o domínio do site e confira.  Quanto ao flash, deve ser evitado sempre que possível, entretanto, na ausência de fontes de luz natural ou artificial, você deverá utilizar o flash e, para evitar branqueamento da imagem devido à intensidade do flash, utilize um pedaço de papel. Isto evitará que sua imagem saia muito branca.

(5) Usando o espelho de forma correta

Zelfie paula fernanda no epelhoSe for inevitável a utilização do espelho para obtenção de sua melhor selfie, então o utilize, porém, que não seja o do banheiro; como também esteja ciente de que fotografias assim produzidas apresentam algumas desvantagens, como a de fazer a imagem ficar invertida, a de que a câmera aparecerá na imagem, a formação de uma imagem muito clara devido ao reflexo de luz, eventuais sujeiras no espelho podem ser fotografadas, além da possibilidade de distorcer alguns traços pessoais.

Para utilizar a máxima potencialidade que tem um espelho para obtenção de uma imagem de qualidade, na ocasião de fazer a selfie, estique seu braço, aponte a câmera na direção de seu rosto e tire sua foto. Talvez seja necessário tirar mais de uma selfie até que você obtenha a melhor posição para a câmera e, consequentemente, para a melhor imagem. Tire selfies tanto com a mão direita quanto com a esquerda e veja qual delas lhe permite obter o melhor ângulo para suas selfies.

(6) Prefira tirar fotografias assimétricas

Zelfie azzimetricaOs fotógrafos profissionais e semiamadores aconselham que, para tirar uma fotografia atraente, é preciso evitar que o objeto seja colocado no centro da fotografia, pois as fotos que apresentam simetria são muito menos atraentes do que as assimétricas.  Para você obter fotografias assimétricas, divida horizontal e verticalmente o campo da fotografia em três partes e coloque a sua face no primeiro terço vertical (à esquerda) e testa e olhos no primeiro terço horizontal (superior) e deixe o último terço vertical para o cenário. Esta é a chamada regra dos terços, muito utilizada por fotógrafos profissionais. Alternativamente, faça uma selfie assimétrica de seu rosto de um lado e o cenário, do outro. Isto poderá produzir bons resultados, especialmente se o cenário for uma bela paisagem natural, constituindo um ótimo complemento para seu rosto.

Se, ao aplicar esta regra, a imagem de seu rosto não lhe agradar, então experimente eliminar parte do seu rosto, tanto para o lado esquerdo, quanto para o superior, pois, deste modo, a selfie vai ficar mais bem preenchida e dará mais ênfase a assimetria ao contrastar com o cenário. Para obter variações de ângulo de seu rosto na selfie, tire fotos sem olhar diretamente para a câmera. Você pode utilizar, também, o celular ou smartphone em modo de paisagem (e não em de retrato), pois, talvez assim o resultado possa ser melhor.

(7) Use filtros fotográficos 

Filtro preto e branco na zelfieUtilize os filtros fotográficos para suavizar sombras, compensar o balanço de cores e enfraquecer expressões faciais. Os filtros permitem também proporcionar certos estilos à fotografia, como preto e branco, tom de antigo, assustador, sombrio ou romântico. Será preciso testar vários filtros para escolher o que fica melhor para sua selfie.  A maioria dos smartphones dispõe de aplicativos com filtros de luz simples, como o sépia e o preto e branco e muitas redes sociais, como Flickr e Instagram, disponibilizam filtros de imagens a seus usuários, como também você pode recorrer a alguns aplicativos desenvolvidos para dispositivos móveis que disponibilizam este recurso, os quais você poderá adquirir no Google Play Store ou Apple Store.

O Instagram disponibiliza 20 filtros para seus usuários, mas se você acha que isso é pouco e quer mais diversidade de opções, até porque deseja publicar uma selfie bem original e criativa, então eis alguns aplicativos desenvolvidos tanto para a plataforma Android como para a iOS, aos quais você pode recorrer: Retro Camera Plus e Vignette (Android); Hipstamatic (iOS) e Pudding Camera (iOS e Android), que oferecem filtros que simulam câmeras vintage como Diana, Holga, Little Orange Box, Lomo, Polaroid e Pinhole.

(8) Editando sua selfie 

Editando a zelfieUtilize um programa editor de imagens para dar alguns retoques a sua selfie, antes de postar em suas redes sociais, remova manchas, imperfeições e elementos indesejáveis que estão no cenário; redimensione para dar mais ênfase a você mesmo com algum elemento do ambiente, mude o sentido de simetria da imagem, aumente ou diminua o brilho e o contraste, dentre muitas outras possibilidades de edição. Mais recursos para aperfeiçoar sua selfie, você poderá encontrar em aplicativos específicos para isso, como os referidos acima.

A edição de fotos é especialmente recomendada para selfies tiradas diante do espelho, pois nessas fotos costumam aparecer objetos inesperados e reflexos de luz, que podem ser removidos ou amenizados pelo procedimento de edição do autorretrato.  Dentre os dispositivos móveis, os smartphones tem a vantagem de vir com aplicativos fáceis de usar, que permitem a edição de sua selfie antes de postá-la nas redes sociais. Para smartphones da plataforma iOS (iPhones), temos a apresentar os aplicativos Câmera+ e o Photoshop Express, sendo que o ulterior também possui versão para a plataforma Android. Recursos como a função claridade para análise de imagens, flash frontal, ajuste de foco e exposição, estabilizador de imagem, modos de cena e efeitos de HDR são disponibilizados no Câmera+ para o iPhone, enquanto que o Photoshop Express possui recursos como corte e rotação de fotos, ajuste de contraste e balanço de cores, dentre outros, para os demais smartphones do sistema Android.

(9) A câmera digital do smartphone

Camera frontal do Smartphone para Selfies-2015Invista em um smartphone que tenha uma boa câmera frontal, pois, permitem selecionar o melhor ângulo para a foto e que tenha resolução de pelo menos cinco megapixels. Você pode chegar aos melhores ângulos por meio de vários testes, até perceber que atingiu um bom resultado. A vantagem da câmera frontal sobre a traseira é que ela permite encontrar os melhores ângulos, assim como os melhores segundos planos para obter uma boa imagem.

Evite, portanto, usar celulares ou smartphones com apenas câmeras traseiras, pois elas dificultam o foco, muito embora suas câmeras apresentem maior índice de pixels; mas se você ainda possui um smartphone com apenas câmera traseira, então, para tirar sua selfie, procure calcular/imaginar o foco, faça muitas imagens e escolha as melhores. De modo geral, procure tirar o máximo proveito das configurações de fotografia do seu dispositivo móvel. Entretanto, se seu dispositivo tiver tanto câmera frontal, como traseira, escolha aquela que tiver maior poder resolutivo em megapixels.

(10) Posicionando o dispositivo para a selfie 

Pozicionando o dizpozitivo para a selfieTendo descoberto a seu melhor perfil e ou sua melhor pose, chegou a hora, então, de tirar sua selfie. Para isso, segure a câmera um pouco mais acima de sua cabeça apontando para seu rosto e click! Está pronta a sua selfie e talvez quase perfeita para ser postada em redes sociais, mas antes de publicá-la, é aconselhável fazer uma checagem geral para conferir se está tudo certo e, após isso, publique-a. Se possível, escolha ou crie um bom segundo plano para sua selfie, especialmente as de espelho, e observe a regra dos terços, bem como os princípios de iluminação referidos acima. A posição da câmera um pouco acima da cabeça permite obter um rosto mais fino, além de dissimular o tamanho do nariz; como também inclinar levemente a cabeça para baixo ou para o lado também ajuda a melhorar a fotogenia na selfie.

Se você é principiante na arte de tirar selfies, então, no seu caso uma boa recomendação é segurar o celular ou smartphone com as duas mãos, pois, assim, você terá mais estabilidade na imagem, evitará a formação de imagens tremidas, embora muitos dispositivos atualmente disponíveis no mercado venham com recursos para estabilizar automaticamente, após alguns segundos, sua fotografia.

(11) A etiqueta da selfie

Etiqueta da zelfieAo escolher um lugar ou evento para produzir sua selfie, pergunte-se a você mesmo se o momento é conveniente para tal procedimento, pois é preciso respeitar os momentos ou lugares que envolvem sentimentos pessoais, comoções ou valores coletivos e sociais. É de bom alvitre evitar tirar selfies em funerais ou em locais de acidentes, pois elas podem causar reprovação social, igualmente evite tirar selfies que possam chatear ou ofender alguém, considere sempre a conveniência de suas selfies para que, se não forem bem comentadas, ao menos não gerem maus comentários. Também respeite os eventos destinados a marcar a vida de outras pessoas (e não a sua), como casamentos, colação de grau e similares.

Outra situação em que você deve evitar tirar selfies é em monumentos destinados a recordar eventos trágicos, nos quais uma, algumas ou multidões de pessoas pereceram. Nestas situações, ao invés de parecer bem, você corre sério risco de ser muito mal comentado nas suas redes sociais. O site techtudo selecionou algumas selfies de mau gosto postadas no Instagram, clique no link sobre o nome do site, confira e procure não cometer os mesmos erros.

(12) Redes sociais 

Redez zociaiz para zelfiezAs redes sociais estão intimamente relacionadas com as selfies, pois as pessoas as usam para contar as novidades, fatos novos que ocorreram em suas vidas e, dentre as melhores redes sociais para postar e gerar comentários para suas selfies estão o Instagram, o Snapchat, o Flickr e o famigerado e popularíssimo Facebook.  O Instagram é uma rede de compartilhamento de fotografias e autorretratos, a partir de aparelhos móveis, que disponibiliza uma série de filtros para seus usuários, de modo que, possa dar um toque pessoal às suas imagens, proporcionando certo estilo à sua selfie, como por exemplo, pela aparência de antiguidade e preto e branco; de modo que se pode dizer que esta rede social anda de mãos dadas com imagens e selfies.

O Snapchat é também uma rede social baseada em imagens e vídeos, os quais são utilizados pelos seus usuários para enviarem mensagens e conversarem entre si, com a relevante característica de que as mensagens são automaticamente eliminadas da plataforma alguns minutos após serem abertas pelos destinatários, e isto faz com que o usuário produza o máximo possível de selfies para manter o fluxo de mensagens em rede.

O Flickr é uma plataforma de hospedagem que partilha principalmente imagens fotográficas, mas também desenhos, documentos gráficos e ilustrações em geral, ampliando, assim, as opções de uso. Como rede social, permite aos seus usuários criarem álbuns como meio de armazenar e organizar seus conteúdos gráficos e imagens em geral, como também vídeos, além de poderem conhecer fotógrafos profissionais de todo o mundo. É uma boa opção para armazenar e partilhar suas selfies e fotografias em geral, especialmente aquelas mais artísticas.

O Facebook, a maior rede social da atualidade, também possui recursos que permitem postar imagens e vídeos, como o aplicativo Facebook Camera, além de permitir a postagem de imagens diretamente na linha do tempo, seja por meio de dispositivos móveis ou por outro meio, os quais facilitam sua interatividade social com seus familiares e amigos.

Resumo e síntese

Regra do terçozEm resumo, pode-se dizer que, para produzir uma boa selfie, é necessário levar em conta vários fatores, como luz natural ou artificial, brilhante, intensa ou difusa, flash e difusores de luz, além de técnicas básicas de fotografia, como a regra dos terços, para obtenção de fotos com elementos assimétricos. A escolha do cenário também é muito importante para ser utilizado como complemento de seu rosto, e, para isso, aproveite elementos característicos das estações do ano ou do ambiente doméstico; como também é importante descobrir seu melhor perfil, sua melhor pose; use expressões descontraídas e com naturalidade ou expressões mais sérias que eventualmente possam combinar com você.  Utilize elementos que vão proporcionar um estilo específico para sua selfie e fotografias em geral, como os filtros fotográficos, como também edite sua selfie para remover imperfeições e outros elementos indesejáveis. A edição de sua selfie é especialmente recomendada se for tirada diante de um espelho.  A câmera frontal permite escolher os melhores ângulos, mas a câmera traseira geralmente possui maior resolução, embora os fabricantes estejam envidando esforços para produzir smartphones e celulares com câmeras frontais mais poderosas, escolha a câmera traseira se a resolução da câmera frontal não for satisfatória, de pelo menos cinco megapixels. Observe o posicionamento da câmera um pouco acima da cabeça, como também procure produzir diversos ângulos do seu rosto, não olhando diretamente para a câmera. Por fim reflita sobre a conveniência de fazer selfies em dados momentos e lugares considerados inconvenientes para não ser criticado por seus familiares e amigos e só então poste nas suas redes sociais preferidas.

Em suma, para produzir uma boa selfie não é simplesmente apontar a câmera do smartphone para si e clicar, mas é preciso observar uma série de elementos que vão desde o modo de segurar o dispositivo até a edição da selfie para finalmente postá-la em redes sociais. Elementos que compõem o cenário, a qualidade da luz, a utilização de aplicativos para adicionar filtros são elementos que devem ser levados em consideração na hora de produzir uma selfie de qualidade, além da ênfase necessária que a pessoa fotografada deve dar a si mesma, através de um bom perfil, uma boa pose, uma boa expressão feita descontraidamente e com naturalidade, bem como a conveniência do local ou do momento. São fatores que sempre devem ser observados quando se for fazer uma selfie, o que vai contribuir sobremaneira para que seja bem comentada em redes sociais. Faça bom proveito destas recomendações, boas selfies e até a próxima.

Tablet com câmera digital integrada para postar fotos diretamente nas redes sociais

1asus-memopad-hd-7-tabletAlgo que é importante para um grande número de pessoas é gravar os melhores momentos da vida, tirar fotos de seus filhos, de passeios…, entre inúmeros momentos agradáveis de nossas existências; porém, para isto, é sempre conveniente portar uma câmera fotográfica. Se esta câmera está integrada a um tablet, então isto pode ser bastante conveniente e útil, podendo haver benefícios exclusivos.

Nos dias atuais, é bastante difícil encontrar uma pessoa que, ao sair de casa, não tenha um dispositivo móvel em mãos, no bolso ou bolsa, mochila, pasta, etc. e, dentre eles, os tablets são os que mais estão caindo no gosto popular nos dias atuais, os quais podem ser utilizados para registrar os bons momentos da vida, tanto através de câmeras digitais, como também através de filmadoras.

No entanto, o que realmente se torna um diferencial deste dispositivo é a resolução da sua câmera fotográfica, sua qualidade, a qual varia de acordo com o modelo e marca; já que, atualmente, não somente os tablets, mas todos ou talvez quase todos os aparelhos portáteis, até mesmo os mais básicos, são dotados de uma câmera digital integrada.

Uma relevante vantagem do tablet com câmera digital integrada é que a conexão com a internete, da qual é dotado, permitirá que você tenha acesso direto às redes sociais, como por exemplo, o Facebook, e assim, postar suas fotos obtidas em alta qualidade, com câmeras de pelo menos cinco megapixels, o que você não poderá fazer, de modo nenhum, com uma câmera digital simples, já que o tablet é praticamente um computador portátil.

Outra vantagem do tablet em relação à câmera digital é que o tablet, embora seja maior que a câmera, é, porém, mais fino (mais ou menos do tamanho de um livro), o que, diferentemente da câmera, facilita seu acomodamento em pastas, por exemplo; portanto, proporciona a mesma ou mesmo maior portabilidade. Por outro lado, a câmera digital pode ser mais fácil de utilizar e manusear.

2Smart câmera wi-fi SH100 SamsungEntretanto, já existem câmeras digitais mais sofisticadas conhecidas como Smart Câmeras que permitem acesso à internete e postar fotos diretamente para as redes sociais, com é o caso da câmera digital wi-fi SH100 Samsung, que possui sensor de imagem de aproximadamente 14.5 megapixels, tela sensível ao toque, fotografia em modo noturno, detector de faces, postagem de fotos e vídeos, memória interna e entrada para cartão de memória, modo smart automático e muito mais. Quanto ao custo ao consumidor, o preço médio é de aproximadamente R$ 500,00.

Todavia, o tablet tem, principalmente, a seu favor, a maior capacidade de armazenamento, o que é algo bem limitado na câmera digital simples, smart câmera, assim como em celulares, smartphones e demais dispositivos móveis de mão ou de bolso de modo geral, além de autonomia de bateria entre 7 e 10 horas de uso continuo, como também ligam e desligam rapidamente, o que pode representar ganhos de tempo significativos para você que valoriza muito o seu tempo. Alguns modelos de tablets, também, vêm acompanhados de teclado, o que facilita a entrada de dados por meio de digitação.

O tablet, enquanto um computador, normalmente está em uso frequente e isso evita de danificar o aparelho, o que não acontece com a câmera digital, a não ser que você goste muito de tirar fotos e ou fazer vídeos o tempo todo; ou você seja um fotógrafo amador ou profissional. Se você for deixar sua câmera digital em desuso por muito tempo, não se esqueça de retirar a bateria, pois ela pode danificar o aparelho, nestas condições.

Nos dias atuais, podemos encontrar uma série de modelos de tablets executando seus aplicativos em, basicamente, dois sistemas operacionais: Android (Google) e IOS (Apple) e, dentre os modelos de melhor custo x benefício para o usuário, podemos recomendar o Asus Memo HD 7 (Android 4.2), que possui câmera traseira de 5 MP e webcam de alta qualidade, o que permite realizar contatos via Skype em alta definição, bateria de cinco horas de autonomia em uso contínuo, além de porta para pen drive, que auxilia no processo de armazenamento e compartilhamento de mídias, já que sua memória RAM é de apenas 1 GB, equiparável à de alguns smartphones, porém estes, por serem demasiado pequenos, podem ser um tanto desconfortáveis para serem usados como computadores. o Asus Memo HD 7 pode ser adquirido por menos de 450,00.

Em síntese, optar por tablet com câmera digital de alta resolução para postar mídias em redes sociais, ao invés de uma smart câmera, apresenta, entre outras vantagens, a de estar permanentemente em uso, o que pode evitar, eventualmente, de danificar uma smart câmera, da qual se esqueceu de remover a bateria, a não ser que você goste muito de tirar fotos e preparar vídeos e não precise de um computador móvel para outros afazeres, neste caso você pode optar pela smart câmera.

Fonte: Internet

Imagem 1, fonte: http://www.tabletblog.de/2013/06/asus-memo-pad-hd-7-unboxing-erster-eindruck/

Imagem 2, fonte: http://www.samsung.com/uk/consumer/smart-camera-camcorder/cameras/compact/EC-SH100ZBPSGB

Ipod touch: câmeras fotográfica e filmadora mais GPS, excelente para viagens e redes sociais

Ipod touch aAlgo que podemos verificar com facilidade nos dias de hoje é o fato de que há uma grande quantidade de pessoas que tem interesse em dispor de um só dispositivo móvel, de preferência com diversas funcionalidades, mas, para isto, é necessário que se busque por um aparelho que esteja em conformidade com aquilo que se mais deseja. Para aqueles que adoram música, tirar fotos e gravar vídeos, por exemplo, o Ipod touch é uma excelente opção.

O Ipod, de modo geral, acabou de passar por algumas mudanças que o tornaram capacitado de mais recursos e funcionalidades, embora, em relação à câmera fotográfica integrada, algumas versões anteriores já haviam sido dotadas de tal função. Em relação ao design, os novos Ipods são bastante semelhantes ao smartphone da Apple, o Iphone.

O Ipod apresenta funcionalidades um pouco limitadas, por exemplo, a quantidade de aplicativos disponíveis para baixar é bem pequena, assim como não se tem a possibilidade de realizar ligações telefônicas, algo que, para algumas pessoas, é considerado fundamental.

Por outro lado, em relação a sua câmera fotográfica, a capacidade de captação de imagem pode ser considerada excelente, como também a de gravação de vídeos, sendo que, dependendo dos recursos que você utilizar, ainda poderá realizar a edição das imagens, com a possibilidade de serem colocadas diretamente nas redes sociais.

Um dispositivo com essas características, naturalmente, é recomendado para quem se interessa em curtir mídias e compartilhá-las com outras pessoas em sites como o Facebook, Instagran, Google +, etc., como também para aquelas pessoas que gostam de viajar ouvindo uma música ou assistindo a um filme, lendo um e-book ou ouvindo um audiolivro, os quais podem ser acessados pelo Itunes, aplicativo multimídia da Apple, que pode ser baixado gratuitamente.

Ipod touch bOutras características deste gadget é que o modelo de 64GB (Ipod touch) se apresenta em um maior número de cores, para ampliar a possibilidade de opção do comprador; bateria com energia suficiente para 40 horas de música ou 8 horas de vídeo com carga total, além de recursos adicionais em fotografia, como lente de cinco elementos e foco automático; e em filmes, como gravação com áudio e estabilização de vídeo.

Em se tratando do Ipod touch, você ainda terá suporte para utilizar um GPS, o qual não deixará que você se perca por lugares desconhecidos, tornando-se assim, um dispositivo perfeito, podemos dizer, para pessoas que gostam de mídias e de viajar por muitos lugares, guardando lembranças que podem ser registradas em sua câmera fotográfica ou filmadora integradas.

Portanto, você terá o benefício de dispor de duas ou três funcionalidades que combinam perfeitamente com você e, ao invés de portar dois ou três dispositivos, terá para levar na bagagem apenas um.

No quesito sustentabilidade, este aparelho foi desenvolvido no sentido de reduzir o impacto sobre o meio ambiente e saúde pública, o qual se apresenta constituído de tela sem mercúrio e sem arsênico, cuja iluminação é de fonte LED; sendo também fabricado sem halogênios e PVC, e com estrutura de metal reciclável (alumínio).

Se você estiver interessado em possuir um Ipod touch para curtir multimídias enquanto você viaja com GPS integrado para não se perder no local onde visita, antes de você comprá-lo, é recomendável que realize uma pequena pesquisa de preço, para que assim, consiga encontrar um modelo que esteja de acordo com o que deseja e por um valor que caiba no seu bolso, é claro. Porém, podemos adiantar que a média de preço de um Ipod atualmente é de aproximadamente R$1.199,00 e que o modelo de 64 GB é o que possui mais recursos.

Em síntese, o Ipod passou por mudanças que o tornaram dotado de mais recursos, especialmente o Ipod touch, que é dotado de mais memória, como também de câmera fotográfica e filmadora, ambas de alta qualidade, podendo as fotos ser postadas diretamente nas as redes sociais. O GPS é outro diferencial que proporciona complementaridade a este gadget, tornando-o perfeito para quem gosta de curtir mídias enquanto viaja e com a segurança de um GPS para não se perder pelos locais a visitar.

Smartphone: câmera digital de alta qualidade a preços acessíveis


foto2Cada vez mais as câmeras digitais dos smartphones possuem uma melhor resolução em megapixels, além de recursos que, até pouco tempo atrás, era visto apenas em câmeras semiprofissionais ou profissionais como, por exemplo, o flash LED, o detector de sorrisos e a marcação da posição geográfica no momento da foto.

Sendo assim, atualmente não é mais necessário ter dois aparelhos (um celular e uma câmera digital) visto que a qualidade das fotos capturadas é excelente em vários modelos, além da possibilidade de, em alguns casos, fazer gravações de vídeos em resolução HD ou, até mesmo, em Full HD a partir do smartphone.

Hoje, pelo grande número de modelos e preços, ter um smartphone com câmera digital não é nenhum privilégio de quem tem dinheiro para pagar mais – claro que as melhores câmeras estão nos aparelhos que custam mais caro, como a do Nokia Lumia 1020, a do próprio iPhone 5S, do Samsung Galaxy S4, entre outros. Todos esses modelos são comercializados no Brasil com preços a partir de R$ 1.800,00 dependendo da capacidade de armazenamento que tais gadgets possuem, em os modelos com maior capacidade podem custar em torno de R$ 2.700,00 a R$ 2.800,00.

Existem, contudo, os modelos mais acessíveis que possuem boas câmeras digitais como é o caso de alguns modelos da Sony, da LG e da própria Nokia. Estas empresas possuem modelos de smartphones que custam a partir de R$ 700,00 e que possuem câmeras com, pelo menos, 5 megapixels de resolução.

Outro ponto importante que deve ser considerado no momento de comprar um smartphone com câmera digital é verificar se o aparelho tem uma ou duas câmeras integradas – uma frontal, de menor resolução (em torno de 1 a 1.2 megapixels), e outra traseira, com uma resolução maior (a partir de 5 megapixels), e que é considerada a câmera principal.

Os smartphones topo de linha das principais marcas do mercado possuem as duas câmeras; a frontal é utilizada apenas para videoconferências enquanto que a traseira grava vídeos; sendo que em alguns modelos, até a 60 frames por segundo. Enquanto que os modelos de smartphones mais básicos – embora tendo câmeras digitais integradas – acabam possuindo apenas uma câmera na parte traseira.

Fonte: Internet

Iphone: câmera digital integrada inigualável


ifake3Uma das principais características do iPhone é sua excelente câmera digital integrada, que mantém uma fidedignidade dificilmente igualadas às cores. A câmera principal do iPhone 5, 5S e 5C apresenta 5 megapixels de resolução, além disso, a câmera frontal, embora tenha uma resolução baixa (1.2 megapixels), não deixa nada a desejar mesmo quando se dá o zoom máximo. Algo semelhante pode-se encontrar no Nokia Lumia 1020, que possui um sensor de 4.1 megapixels.

Desta forma, o iphone é indicado para aquelas pessoas que pretendem ter um smartphone topo de linha em todos os quesitos, inclusive, pela excelência nas fotos capturadas pela câmera digital. Outro ponto importante do smartphone da Apple é com relação à gravação dos vídeos, que é realizada em resolução HD (720p) a 30 frames por segundo.

Durante o mês de setembro, a Apple lançou os seus dois mais novos modelos de iPhone que eram esperados a praticamente um ano pelo mercado. Ambos os modelos (iPhone 5S e 5C) ainda não chegaram ao Brasil, porém a expectativa é que tenham os seus preços fixados a partir de R$ 1.900,00 para o modelo 5S de 16 GB e Wi-Fi e de R$ 1.400,00 para o 5C.

Entretanto, se o principal motivo da sua compra é pela excelente câmera digital integrada do smartphone da Apple, tenha em mente que o iphone não possui entrada para cartão microSD. A capacidade de armazenamento interno é muito importante, principalmente, durante uma viagem de férias, durante a qual, fazer o download das fotos para o computador pode não ser algo corriqueiro.

Para não se preocupar com este fato, procure comprar modelos a partir de 32 GB, pois, nas últimas versões, os iPhones são vendidos com capacidades de 16, 32, 64 e 128 GB). Para se ter uma ideia, o preço esperado para o novo iPhone 5S de 32 GB será de R$ 2.100,00.

Claro que a excelente qualidade não está somente nos últimos modelos lançados, sendo que o modelo anterior, iPhone 5, possui a mesma resolução para captura de fotos e gravação de vídeos e deverá ter o seu preço reduzido drasticamente após a chegada dos novos modelos no Brasil.

Câmera digital com GPS: um extraordinário diferencial


CDigital GPS int SonyApesar de todos os celulares atuais possuírem uma câmera que possui, muita vezes, até uma boa resolução, mas os fãs de fotos não deixam de lado a velha  e boa  câmera digital, que ganhou um dos recursos mais úteis para quem gosta de viagem, que é um GPS integrado.

        O mundo da tecnologia sempre está com alguma novidade, seja para criar produtos, ou integrar recursos com o objetivo de deixar os aparelhos cada vez mais modernos e, assim, atrair muitos consumidores, que estão a cada dia mais informados e exigentes.

Os fãs de uma boa câmera digital podem ficar bem felizes, pois os últimos lançamentos de câmeras possuem um dos recursos mais úteis para seus usuários: o GPS integrado, um extraordinário diferencial, ideal para quem gosta de levar sua câmera para todos os lados e se localizar a qualquer tempo em lugares novos.

E muitas câmeras que estão sendo lançadas no mercado, apresentam vantagens incríveis, disponibilizando recursos profissionais para usuários comuns, que podem utilizados sem grandes dificuldades.

A Sony é uma das marcas mais conceituadas no mercado quando o assunto são câmeras digitais. E agora, sua mais recente novidade é que ela vem com GPS integrado. Este aparelho, bifuncional, possui um corpo mais compacto, porém, com tecnologia de ponta. Tudo isto pode ser visto na Câmera Digital Sony Cyber-shot DSC-H100 16.1 Megapixels, que pode ser comprada por um preço a partir de quinhentos e trinta reais.

Outra marca que promete qualidade nos seus aparelhos é a Fujifilm. É uma das marcas mais tradicionais quando o assunto são câmeras digitais. A Fujifilm sempre foi sinônimo de Câmera fotográfica e sua tenacidade para oferecer qualidade ao seu cliente pode ser constatado na Câmera Digital Fujifilm FinePix F550EXR Preta, que, além do GPS integrado, possui entrada USB, seu flash é automático e possui zoom que pode ser usado durante a gravação de um vídeo. Todos estes recursos podem ser adquiridos por um preço bem acessível.

Câmera fotográfica: princípio de funcionamento e componentes básicos


222559_432911060103093_2025297035_nO processo de formação de uma imagem está diretamente relacionado com a capacidade que os corpos têm de emitir ou refletir a luz incidente sobre eles.

Para entendermos como a imagem se forma no interior de nossos olhos ou de uma câmera fotográfica, é necessário aplicar-se o que, em Física se chama “princípio da câmara escura”.

O princípio da câmara escura consiste na formação de uma imagem invertida dentro de uma caixa fechada, quando a luz atravessa um pequeníssimo orifício, sendo a imagem projetada e formada na parede oposta à do orifício, na caixa.

indexUma câmera fotográfica, assim como nossos olhos, funciona como se fosse uma câmara escura. A câmera analógica utiliza uma lente convergente, que funciona como o orifício da câmera escura e, no lado oposto ao orifício, é posto um filme, que contém substâncias fotossensíveis, sais de prata, correspondente ao anteparo onde é projetada e formada a imagem invertida ao ser atingido pela luz.

Na câmara digital, por sua vez, o anteparo corresponde a um sensor denominado de CCD (Charge-Coupled Device), que converte em bits e bytes, as diferentes intensidades de luz incidentes sobre ele. Existem dois tipos de CCD, um linear, constituído por uma fileira de elementos fotossensíveis que formam a imagem a partir de uma sucessão de linhas que varrem a área da foto e são usados para se obter fotos estáticas de alta definição. O outro tipo é o CCD Array, formado por uma matriz de elementos fotossensíveis que capturam instantaneamente os pontos da imagem, sua capacidade para capturar pontos é sete vezes menor que o CCD linear, portanto produzem imagem de qualidade inferior.

camara-fotografica-e-de-filmar-1Além da lente e do filme ou sensor digital, outros componentes básicos de uma câmera fotográfica são: 1) caixa ou corpo da câmera – é a estrutura básica da câmera onde estão instalados outros componentes, sua função é impedir a entrada de luz que não venha do objeto fotografado; 2) diafragma – é uma abertura na caixa da câmera, onde é instalada a lente e sua função é controlar a quantidade de luz que vai alcançar o filme ou sensor; 3) obturador – é um dispositivo mecânico que funciona como uma espécie de cortina, controlando o tempo de penetração da luz, que pode ser indicado por números ou letras; quanto maior o tempo, maior será a entrada de luz para sensibilizar o filme e; 4) visor- é a parte da câmera que nos permite visualizar o objeto fotografado.